ANTENA PARANÓICA

lemos e descolamos o que há de melhor na rede

TV. Educação em 625 linhas (mais ou menos)

Li no Memorabilias, artigo curioso sobre marketing e propaganda. E resolvi transcrevê-lo aqui com vistas a uma análise do comportamento da sociedade de consumo em relação à vida das pessoas.

A publicidade tem sido associada aos seres humanos desde o início dos tempos, quando os comerciantes usavam meios à sua disposição para elogiar as vantagens de seus produtos – frente aos mesmos no posto vizinho – captando a atenção e o interesse do potencial cliente, além de criar um desejo para o artigo muitas vezes alheio à pessoa

Com a televisão, os anúncios apareceram: ferramenta estrela da publicidade. A maioria de nós cresceu na era da televisão, sonhando que um helicóptero Tulip viesse à nossa escola ou reis trouxessem o presente que anteriormente tínhamos visto na TV.

Depois vieram os anos oitenta, com televisão a cores definindo em 625-linhas a imagem do sistema PAL na Europa. Enquanto isso, os americanos começaram a colonização silenciosa do mundo através do cinema e da tela pequena. O capitalismo foi resolvido fora das suas fronteiras, dando lugar ao consumismo e qualquer ismo – que alijasse as sociedades ocidentais do inimigo do comunismo – tangível e invisível no início dos anos oitenta. Nos filmes, os bandidos eram muito ruins, com um gigante rádio cassete no ombro gigante e derrubando qualquer lixo que encontrasem em seu caminho. Os bons, felizmente, é que eles eram realmente bons.

Patrióticos e heróicos passaram a fumar Marlboro ou Lucky Strike e a beberem Jack Daniel, fazendo hordas de adolescentes dedicarem-se a imitá-los e a sentir-se mais ou legal. Da mesma forma, o cinema e a televisão têm nos ensinado que, após um dia duro no escritório, tínhamos que tomar uma bebida ou celebrações especiais regadas a champanhe.

O mundo da publicidade tornou-se mais e mais agressivo ao chegar aos anos 90, em parte pelo aumento da concorrência, também como resultado da crescente classe média consumista e manteve o país graças ao crescimento estável do consumo interno. Fomos encontrar o nosso kimono – Kia – pedir a mãe detergentes cada vez mais concentrados, “usado agora menos”, disseram. No entanto, quem teve a ideia certamente ganhou um bônus lucrativo naquele ano. Enquanto os custos logísticos eram reduzidos, por um lado, aproveitaram-se das gerações anteriores de que com a nunca mudança usariam mais do que a quantidade recomendada, por medo de que as roupas não ficassem tão limpas como antes. Assim começou a luta para aumentar a rotação do produto, ou seja, encontrar maneiras que o consumidor acabar o produto antes e para ter que comprar mais.

Mais tarde veio a revolução científica, detergentes inteligentes capazes de descobrir onde a mancha é devido a oxigênios mais ativos e anti-sépticos bucais que podem matar as bactérias benéficas à boca. Então, quando a população foi totalmente treinada para consumir duas em vez de uma goma de mascar, beber dois litros de água por dia ou tomar um pouco de água sanitária extra para o vaso sanitário como eles viram no anúncio, veio o novo milênio, e nisso, a criação de novas necessidades, atacando os medos mais comuns de pessoas.

Olha o frio que está, não deixe seu filho sair assim vai ser ruim, melhor dar-lhe um iogurte pequeno, todas as manhãs para ajudar com as defesas. Como se deixá-lo constipar ou espalhar a gripe não fosse fortalecer naturalmente e de forma mais eficaz. Uma pena que você não possa ser mãe hoje em dia e dizer aos seus filhos: “Se um estranho oferecer iogurte pequeno não os aceite. Ou seja, há quantas horas ele foi retirado do frigorífico”. Certamente, seria o equivalente a dizer “não aceite doces de estranhos, pois eles podem conter drogas”.

Os gênios do marketing passam horas e horas trancados em escritórios para fazer o ‘brainstorming’ para manter a criação de novas necessidades. As fórmulas do ambientalismo e probiótico saem das mãos criando um monstro desenvolvido durante o capitalismo agressivo dos anos 90. A roda girava e tinha que continuar alimentando seu movimento perpétuo, que vai contra as leis da física e lógica.

Então, o mundo do marketing colidiu com a do bancário. Se você fez na década de 90, foi pela simples razão de que a crise do momento manteve os níveis de juros que hoje soa como ficção científica. No entanto, praticamente juro zero, os bancos entraram na onda de publicidade com uma mensagem clara: “Não pense que você é pobre, nós estamos aqui para ajudar (você)”. Quer um ‘laptop’ e não têm dinheiro para comprá-lo? Não se preocupe, nós damos-lhe um cartão de crédito e você pagará em suaves prestações.

PARA CONTINUAR LENDO (EM ESPANHOL) CLIQUE AQUI.

Anúncios

Navegação de Post Único

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: