ANTENA PARANÓICA

lemos e descolamos o que há de melhor na rede

Artigo: A esquizofrenía e sonhos

Experimento com cobaias liga esquizofrenia a sonho

Grupo brasileiro cria método para estudar de transtorno humano em ratos

Em outra pesquisa, que mediu ondas cerebrais de macaco, português relaciona distúrbio a problema de atenção
RAFAEL GARCIA DE SÃO PAULO

A esquizofrenia é um transtorno psiquiátrico que em muitos aspectos lembra o estado onírico, gerando ideias desconexas e alucinações, e um estudo com ratos acaba de revelar como essa confusão acontece no cérebro.

A descoberta saiu de uma pesquisa realizada pelo Instituto do Cérebro da UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte), que desenvolveu um método para gravar impulsos elétricos no sistema nervoso de ratos, e criou um modelo para estudar a esquizofrenia em cobaias.

Reproduzir esse transtornos psiquiátrico em animais sempre foi um desafio. Como saber se um animal tem algo similar à esquizofrenia sem poder perguntar a ele se está alucinando e sem poder avaliar sintomas clínicos como a fala confusa e paranoia?

Para estudar o problema em ratos, os cientistas de Natal injetaram nos animais o anestésico quetamina, que em pequenas doses é conhecido por induzir delírio e sintomas psicóticos.

Depois, mediam as “ondas cerebrais” geradas pelas variações de impulsos elétricos, enquanto analisavam o comportamento dos animais.

“É claro que o rato não tinha como dizer se estava sonhando ou tendo alucinações”, diz Adriano Tort, líder do grupo de pesquisa. “Mas o padrão de ondas que nós encontramos estava alterado, e era um padrão que já tinha sido visto antes em sono REM’, o momento do sono associado aos sonhos.”

O resultado –que analisou ondas cerebrais do hipocampo, estrutura cerebral importante para a memória e a consciência– corroborou uma suspeita que já existia. Psicólogos já enxergavam semelhança entre o estado onírico e o tipo de alucinação que ocorre em esquizofrenia.

O estudo de Tort, Sidarta Ribeiro e colegas da UFRN, saiu na “Scientific Reports”.

MACACOS

Um outro trabalho semelhante ao dos brasileiros, publicado no periódico “PNAS”, descreve nesta semana um experimento semelhante, no qual a quetamina foi administrada em macacos resos.

Ricardo Gil-da-Costa, cientista português do Instituto Salk, de San Diego (EUA), descobriu um outro desvio nas ondas cerebrais dos animais. Desta vez, a anomalia estava associada à dificuldade que os animais tinham para se deixarem atrair por estímulos sonoros, e depois manterem atenção neles.

Uma das inovações aplicadas por Gil-da-Costa foi uma touca de encefalografia adequada para que se possa comparar o cérebro símio com o humano, algo essencial para estudar o transtorno.

“Um modelo animal melhor pode ser usado em investigação pré-clinica e para se desenvolver novas terapias”, diz. “Muitas empresas farmacêuticas nos têm contatado precisamente por isso”, afirma Gil-da-Costa.

Anúncios

Navegação de Post Único

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: