ANTENA PARANÓICA

lemos e descolamos o que há de melhor na rede

Arquivo para o mês “agosto, 2011”

Como ficar invisível numa fotografia


A BBC registra: Na série “O Homem Invisível”, o artista chinês Liu Bolin “se esconde” em cenários naturais para que sua presença mal seja notada quando ele é fotografado. Para conseguir o efeito, o artista gasta até 10 horas, cuidando de cada detalhe antes do clique. As fotos em grande escala costumam ser expostas em museus de todo o mundo. O trabalho explora a identidade nacional chinesa, especialmente a da capital, Pequim e as relações entre os seres humanos e o meio-ambiente.

Série explora a identidade nacional chinesa e as relações entre os seres humanos e o meio ambiente. (BBC)
Liu Bolin, se especializou em fundir-se com cenários para produzir auto-retratos. São fotos em grande escala nas quais o artista consegue se misturar com o fundo fazendo com que alguns transeuntes não percebem sua presença.

“Escondendo-se na cidade”, nome de uma das exposições realizadas, é uma homenagem à história chinesa, especialmente à cidade de Pequim. Mas o artista também “se escondeu” em outras cidades famosas do mundo.

Nascido em 1973, Liu Bolin pertence a uma geração surgida no início dos anos 1990, quando a China começava a acelerar seu crescimento econômico ganhando estabilidade política.

Após sua primeira exposição internacional em 1998, ele ganhou reconhecimento fora da China. Seus auto-retratos já foram exibidos em Milão, Caracas, Estocolmo e, este ano, Nova York.

Anúncios

CELEBRIDADES QUE LEMBRAM PERSONAGENS HISTÓRICOS


fonte: AEROMENTAL

VIDEO. Nina Simone ‘Here comes the sun’


MEDITA AÇÃO. O cântico de paz a Namah Shivaya


INDIANA JONES JUDEU ENGANOU TODO MUNDO



Interessante esta história de Menachem Youlus, preso esta semana em Nova York. Com 25 anos de idade, quando foi lançado o segundo filme da série ‘Indiana Jones e o Templo da Perdição’, esse rabino resolveu tomar emprestado o nome do seu herói de ficção para viver a sua missão: recuperar e restaurar todas as cópias da Torá, a lei divina dos judeus, que foi usurpada durante o holocausto.

O ano era 1985. Por duas décadas, o “Indiana Jones” judeu encontrou dezenas de cópias dos lugares mais improváveis ​​na Europa. Ele conseguiu resgatar dois rolos dentro de uma vala comum na Ucrânia. Ele encontrou um exemplar valioso do livro sagrado em um saco da Gestapo, dentro de um dos barracões do campo de concentração de Bergen-Belsen em Alemanha.

Ele também visitou o campo de extermínio de Auschwitz, mas sem sucesso. O exemplar procurando estava enterrado ao lado de seu dono, no cemitério perto da cidade polonesa de Oswiecim. Assim, as histórias empilhadas em mais de 1.000 exemplares da Torá recuperada pelo ‘Doutor Jones’ com um kipá.

No entanto, a sua aventura terminou em 2004, quando começou o seu pesadelo. Naquele ano, ele conheceu o empresário Rick Zitelman, escreveu o rabino em seu site. Juntos, eles formaram a fundação ‘Save the Torah’, com a intenção de atrair pelo menos 50 comunidades religiosas judaicas em todo o mundo em sua luta para preservar as cópias existentes da lei divina. Tudo era uma mentira já que a união foi o começo do fim.

Esta semana, o auto-denominado “Indiana Jones judeu” foi preso em Nova York pelos judeus que foram enganados com o negócio através de sua caridade. Um escritório de advogado dos EUA em Manhattan acusa Youlus, 50, de inventar tudo isso e as histórias de suas descobertas para roubar centenas de milhares de dólares de ccomunidades judaicas que decidiram investir em sua santa cruzada para manter a Torá.

“Yolus usou histórias falsas como uma plataforma para solicitar contribuições para salvar uma Torá, desviando os recursos diretramente para suas contas bancárias pessoais”, conforme consta na acusação do Ministério Público e do inspetor-geral de Nova York, EUA.

FONTE

O MAPA DO CORPO HUMANO



O Google Mapa do corpo humano é uma boa dica para estudantes de Medicina que desejam se informar a respeito disso. Human Body Maps é uma interessantíssima proposta médico-científica oferecida pela HealthLine.

Trata-se de um verdadeiro instrumento de pesquisa interativa, tridimensional do corpo humano por inteiro.

Con Human Body Maps, em poucas palavras, se pode viajar ao interior do corpo em 3D a 360° e conhecer as características dos órgãos e da aparência interna.

VÍDEO: AVE LUZ (Fizeram meu louro de bobo)


QUEM É A GAROTINHA GASGUITA DO VÍDEO?


CELULAR NA SALA DE AULA, O QUE FAZER?


Seus alunos se distraem na sala de aula por causa do celular? Em vez de colocar este dispositivo longe deles, o LectureTools propõe uma outra solução: fazer com que os telefones sejam parte do aprendizado .

Perry Samson, professor de Ciências Atmosféricas da Universidade de Michigan (EUA), concebe a ferramenta como uma forma de melhorar a interação e retenção de alunos em palestras de grande porte. “A chave é atrair os alunos através de seus laptops ou telefones celulares para que não possam ir às redes sociais “, disse Samson, que teve bons resultados com seus alunos até o momento.

Ele utilizou uma média de 4.000 alunos da Universidade de Michigan de vinte diferentes classes para testar a ferramenta, que entre outras coisas permite tomar notas, fazer perguntas (e respostas), exibir o conteúdo da aula com slides e que levam os professores a levantarem as tarefas interativas dos estudantes.

As perguntas respondidas são visíveis, mesmo anonimamente, para todos os alunos na classe e armazenadas em um arquivo dos alunos. O telefone móvel, assim, torna-se auxiliar de aprendizagem, em vez de dispositivos de distração. De fato, um estudo realizado pelo Centro da Universidade de Michigan de Pesquisa sobre Ensino e Aprendizagem sobre a versão da pesquisa mostrou a LectureTools que a sua utilização aumenta significativamente a participação e atenção dos alunos.

Agora, Samson e seus colegas têm comercializado a tecnologia. “Isso realmente faz grandes classes parecerem menores”, explica Mika Lavaque-Manty, um outro professor que foi testado. ”

ELEFANTE SABE RESOLVER PROBLEMAS MENTALMENTE



Um evento incomum ocorreu há poucos dias e que revelaria a primeira evidência de que os elefantes podem resolver problemas mentalmente. A solução encontrada por Kandula, o elefante no caso, dá aos cientistas uma idéia de quão longe pode o mapa mental da espécie na resolução de construir todo um plano para atingir o seu objetivo.

Ocorreu durante um estudo com Kandula, um elefante de 7 anos que estava ansioso para comer uma fruta que estava no galho de uma árvore. Vendo que ele não poderia atingir ao local da fruta, aparentemente pensando como eu poderia resolver o “enigma”, Kandula pegou um balde de plástico e trouxe-o para debaixo dos ramos onde estava a fruta. Este mecanismo repetiu-se durante vários dias.

Pesquisadores do National Zoo nunca tinham visto um elefante mover um objeto e colocar a perna sobre ele para obter quaisquer itens. Este fato, pouco comum às espécies – só os humanos, chimpanzés e corvos têm demonstrado esta capacidade – coloca em evidência o estudo da câmara dos elefantes e sua capacidade de análise e resolução de uma nova maneira.

ORIGINAL

Navegação de Posts