ANTENA PARANÓICA

lemos e descolamos o que há de melhor na rede

Arquivo para a categoria “televisão”

IBOPE: COMO É FEITA A PESQUISA DE AUDIÊNCIA


Anúncios

TV. Educação em 625 linhas (mais ou menos)


Li no Memorabilias, artigo curioso sobre marketing e propaganda. E resolvi transcrevê-lo aqui com vistas a uma análise do comportamento da sociedade de consumo em relação à vida das pessoas.

A publicidade tem sido associada aos seres humanos desde o início dos tempos, quando os comerciantes usavam meios à sua disposição para elogiar as vantagens de seus produtos – frente aos mesmos no posto vizinho – captando a atenção e o interesse do potencial cliente, além de criar um desejo para o artigo muitas vezes alheio à pessoa

Com a televisão, os anúncios apareceram: ferramenta estrela da publicidade. A maioria de nós cresceu na era da televisão, sonhando que um helicóptero Tulip viesse à nossa escola ou reis trouxessem o presente que anteriormente tínhamos visto na TV.

Depois vieram os anos oitenta, com televisão a cores definindo em 625-linhas a imagem do sistema PAL na Europa. Enquanto isso, os americanos começaram a colonização silenciosa do mundo através do cinema e da tela pequena. O capitalismo foi resolvido fora das suas fronteiras, dando lugar ao consumismo e qualquer ismo – que alijasse as sociedades ocidentais do inimigo do comunismo – tangível e invisível no início dos anos oitenta. Nos filmes, os bandidos eram muito ruins, com um gigante rádio cassete no ombro gigante e derrubando qualquer lixo que encontrasem em seu caminho. Os bons, felizmente, é que eles eram realmente bons.

Patrióticos e heróicos passaram a fumar Marlboro ou Lucky Strike e a beberem Jack Daniel, fazendo hordas de adolescentes dedicarem-se a imitá-los e a sentir-se mais ou legal. Da mesma forma, o cinema e a televisão têm nos ensinado que, após um dia duro no escritório, tínhamos que tomar uma bebida ou celebrações especiais regadas a champanhe.

O mundo da publicidade tornou-se mais e mais agressivo ao chegar aos anos 90, em parte pelo aumento da concorrência, também como resultado da crescente classe média consumista e manteve o país graças ao crescimento estável do consumo interno. Fomos encontrar o nosso kimono – Kia – pedir a mãe detergentes cada vez mais concentrados, “usado agora menos”, disseram. No entanto, quem teve a ideia certamente ganhou um bônus lucrativo naquele ano. Enquanto os custos logísticos eram reduzidos, por um lado, aproveitaram-se das gerações anteriores de que com a nunca mudança usariam mais do que a quantidade recomendada, por medo de que as roupas não ficassem tão limpas como antes. Assim começou a luta para aumentar a rotação do produto, ou seja, encontrar maneiras que o consumidor acabar o produto antes e para ter que comprar mais.

Mais tarde veio a revolução científica, detergentes inteligentes capazes de descobrir onde a mancha é devido a oxigênios mais ativos e anti-sépticos bucais que podem matar as bactérias benéficas à boca. Então, quando a população foi totalmente treinada para consumir duas em vez de uma goma de mascar, beber dois litros de água por dia ou tomar um pouco de água sanitária extra para o vaso sanitário como eles viram no anúncio, veio o novo milênio, e nisso, a criação de novas necessidades, atacando os medos mais comuns de pessoas.

Olha o frio que está, não deixe seu filho sair assim vai ser ruim, melhor dar-lhe um iogurte pequeno, todas as manhãs para ajudar com as defesas. Como se deixá-lo constipar ou espalhar a gripe não fosse fortalecer naturalmente e de forma mais eficaz. Uma pena que você não possa ser mãe hoje em dia e dizer aos seus filhos: “Se um estranho oferecer iogurte pequeno não os aceite. Ou seja, há quantas horas ele foi retirado do frigorífico”. Certamente, seria o equivalente a dizer “não aceite doces de estranhos, pois eles podem conter drogas”.

Os gênios do marketing passam horas e horas trancados em escritórios para fazer o ‘brainstorming’ para manter a criação de novas necessidades. As fórmulas do ambientalismo e probiótico saem das mãos criando um monstro desenvolvido durante o capitalismo agressivo dos anos 90. A roda girava e tinha que continuar alimentando seu movimento perpétuo, que vai contra as leis da física e lógica.

Então, o mundo do marketing colidiu com a do bancário. Se você fez na década de 90, foi pela simples razão de que a crise do momento manteve os níveis de juros que hoje soa como ficção científica. No entanto, praticamente juro zero, os bancos entraram na onda de publicidade com uma mensagem clara: “Não pense que você é pobre, nós estamos aqui para ajudar (você)”. Quer um ‘laptop’ e não têm dinheiro para comprá-lo? Não se preocupe, nós damos-lhe um cartão de crédito e você pagará em suaves prestações.

PARA CONTINUAR LENDO (EM ESPANHOL) CLIQUE AQUI.

ACME. Os anúncios que marcaram a marca famosa


Este slideshow necessita de JavaScript.

RIR ÀS GARGALHADAS É O MELHOR ANALGÉSICO



Isso foi o que demonstrou uma pesquisa da Universidade de Oxford. O estudo mostra que aqueles que riem mais são mais capazes de suportar a dor. Mas não vale um único sorriso, você tem que rir em voz alta para que o corpo secrete endorfinas e crier euforia, aliviando a dor.

Para realizar o estudo, o diretor de pesquisa Robin Dunbar, dividiu os voluntários em dois grupos distintos. O primeiro via vídeos de comédia (“The Simpsons”, “Friends” ou “South Park” ) por 15 minutos, enquanto o segundo grupo foi aos programas mais chatos, vídeos neutro. Em seguida, eles foram submetidos a testes de  dor, para se ver o quão longe eles poderiam suportar o sofrimento. Por exemplo, colocar compressas de gelo no seu braço até que ele não podia agüentar mais.

O resultado foi, no mínimo, impressionante. Aqueles que tinham anteriormente riam muito foram capazes de suportar mais a dor do que aqueles que tinham visto projeções menos divertido.

Além disso, os pesquisadores têm procurado destacar o papel dos diferentes tipos de riso, como nem todos têm o mesmo efeito. Enquanto o riso puro e simples não tem efeito  analgésico, o riso em si. E é que o último libera  endorfinas que, como demonstrado por esta experiência, e gerar um estado de euforia, alívio da dor.

O estudo foi publicado na revista Techinal Proceedings da Royal Society B: Biological Sciences. Conforme explicado por outro autor que já havia estudado o poder do riso em seu estudo “O riso: a pesquisa científica”, Robert R. Provine, um neurocientista da Universidade de Maryland, disse “esta é uma contribuição significativa” para o estudo deste fenômeno fisiológico é tão comum: o riso .

REPÓRTER DA BBC FILMA OVNI



O aparecimento de um OVNI-Objeto Voador Não Identificado – ao sul do aeroporto de Stansted, em Essex provocou um choque no repórter da BBC.

Ele estava viajando de carro quando avistou o ponto de luz brilhante pairando nos céus em plena luz do dia.

De repente, uma série de luzes brilhantes aparecem sair fora dele.

O cinegrafista de 36 anos de idade pode ser ouvido gritando “Oh meu Deus” durante o vídeo. Pois cinco depois, outra visão parecida assustou o jornalista esportivo Mike Sewell que viu um OVNI quase idêntico ao desse vídeo, a menos de dez quilômetros de distância sobre a vila de Cottered, Herts.

Mike, de 41 – que trabalha para a Radio 5 Live – disse que também foi brilhante e “em forma de disco”.

“Eu vi essa grande luz no céu descendo para a estrada. Eu pude ver por baixo e não era um avião.”

Até o ufólogo Nick Pope ficou perplexo com as imagens.

“É um vídeo realmente interessante”, disse ele, assumindo que é uma das peças mais incríveis sobre OVNIs que ele já viu.

VEJA O VÍDEO AQUI

VER TV ENCURTA EXPECTATIVA DE VIDA



Vejr tv uma média de seis horas por dia pode diminuir a expectativa de vida em cinco anos. A afirmação é de uma pesquisa publicada na revista British Journal of Sports Medicine. O impacto disso chega a rivalizar-se com outros fatores de risco como o tabagismo ou a falta de exercício.

Ao chegar a esta conclusão, os pesquisadores analisaram dados do Estudo da Obesidade, Diabetes e estilo de vida australiano (AusDiab), com informações sobre 11.000 adultos com mais de 25 anos de idade. A partir destes dados descobriu-se que cada hora de televisão reduz a expectativa de vida de um ser humano em 22 minutos.

E um sujeito adulto que passou assistindo televisão uma média de seis horas por dia durante toda a sua vida pode ver a longevidade diminuíram em cinco anos contra uma pessoa que não vê uma habitualmentel televisão. Comparado com outros maus hábitos, os autores ressaltam outras pesquisas mostram que o tabagismo está associado com a expectativa de vida reduzida em mais de quatro anos depois de virar 50, para que um cigarro é uma redução aproximada da longevidade de 11 minutos, o equivalente a meia hora de TV .

“Se nossos resultados forem confirmados, assistindo televisão deve ser considerada uma questão de saúde pública”, concluem os autores.

PLÁGIO. TV CHUPA BLOG EM MATÉRIA SOBRE BEIJO


TELENOVELA ajuda a baixar a taxa de natalidade



Li uma matéria da jornalista italiana Rosária Amato, no arquivo do jornal La Repubblica e achei curioso que fala de uma economista mostrando a influência positiva da telenovela brasileira na redução da taxa de natalidade em nosso País. Compilei trechos:

No Brasil, após 30 anos de telenovela, o número de filhos por mulher caiu de 6 para 2. Na Índia, a TV a cabo tem feito as mulheres serem menos submissas a seus maridos e conscientes de que para ser derrotado não é uma conseqüência inevitável do casamento. Enquanto em Ruanda a radionovela de conteúdo social tem empurrado a população para a reconciliação entre hutus e tutsis, indicando que obedecer aqueles que estão mais acima na escada social não é uma prioridade, especialmente quando a obediência promove a violência extrema, como aconteceu no país.

Novelas, disse no Festival de Economia em Trento Eliana La Ferrara, uma professora da Universidade Bocconi, em Milão, e a escola são mais eficazes do que qualquer campanha para a transmissão social de idéias e valores. Elas também podem ser negativas, mas Ferrari apenas analisou os efeitos positivos, e nesse caso a contribuição para a superação de conflitos tribais em Ruanda e a redução de filhos no Brasil.

[…]

No Brasil, as novelas não são ocidentais, mas foram produzidos no país, e este não é um produto da série B, Eliana La Ferrara disse: “Ao longo dos anos da ditadura, quando não havia liberdade de expressão, muitos intelectuais se dedicaram a escrever novela, incluindo questões sociais.

” Nos 30 anos que a Rede Globo produziu suas novelas (pelo menos três anos) na sociedade brasileira, tem havido mudanças radicais e certamente não pode ser totalmente atribuído à telenovela, admitiu Ferrari. Mas, é claro, a economista sugeriu, ver na tela-heroínas que, na maioria dos casos não tinham filhos ou pelo menos elas tinham um, contribuiu para uma diminuição drástica da taxa de fecundidade das mulheres brasileiras com idade entre 6 , 3 filhos em 1970 para 2,3 em 2000.

Um efeito dramático: “O impacto da Rede Globo – sublinha La Ferrara – é igual à de dois anos de ensino na maioria, ou de um médico em mais de mil habitantes cada uma, no que diz respeito às questões de saúde. Mas tudo isso aconteceu sem que haja uma vontade clara de usar novelas para induzir mudanças no comportamento das pessoas. ”

Ao contrário do que aconteceu em Ruanda, onde uma ONG, “Search for Common Grounds”, realizou um experimento, produzindo duas rádio-novelas (a televisão tem um spread muito baixo em Ruanda).  A primeira, intitulada Musekeweya, contou a história de um jovem casal com base no modelo de Romeu e Julieta, ela tutsi, ele hutu. Eventualmente, os dois jovens poderão participar e isso permitiu criar uma espécie de reconciliação entre suas famílias. A telenovela foi a segunda das questões de saúde, em particular a necessidade de prevenir a AIDS.</font>

 

TEXTO ORIGINAL: La Repubblica

AUDIÊNCIA TELEVISIVA DESTE DOMINGO


PESSOAS


Oprah reencontra irmã

Oprah Winfrey, a rainha da TV nos EUA, tem contado em seu próprio show que encontrou uma meia-irmã, Patricia, que sua mãe deu para adoção ao nascer, há quase meio século.

Em seu programa ” The Oprah Winfrey Show “, a apresentadora, considerada pela Forbes como a mulher mais poderosa e mais rica no firmamento de Hollywood, revelou que soube da existência de sua meia-irmã em novembro.

A mulher, identificada apenas como Patrícia Oprah, vive em Milwaukee e durante anos ele procurou a identidade da mãe, que tinha dado para adoção em 1963. Em 2007, Patrícia descobriu que Winfrey era a sua meia-irmã.

Segundo Winfrey, ela tinha 9 anos e vivia com seu pai quando sua mãe entregou a filha para adoção . Winfrey diz que ela sabia que sua mãe estava grávida.

“Este foi um segredo de família que me deixou sem palavras”, Winfrey disse, enquanto seus olhos se encheram de lágrimas. “Eu pensei que nada poderia surpreender-me na vida, mas garanto-vos que eu estava errado.”

Winfrey, que acumulou uma fortuna estimada em 2.700 milhões de dólares de seu próprio programa televisivo e sua revista “O”, explicou quase chorando porque decidiu espalhar a notícia em seu programa.

Navegação de Posts