ANTENA PARANÓICA

lemos e descolamos o que há de melhor na rede

Arquivo para a categoria “esportes”

A OLIMPÍADA DAS REDES SOCIAIS


Um balanço sobre o uso das redes sociais em relação aos Jogos Olímpicos de Londres, mostra que só o Twitter registrou 340 milhões de mensagens acerca do evento.

Houve uma grande evolução das últimas Olimpíadas em Pequim para Londres. De acordo com informações da AMEC em 2008, os usuários emitiram em média 300 000 tweets por dia, enquanto em 2012 o número cresceu para 340 milhões de mensagens.

Nestas olimpíadasa, foram gerados cerca de 150 milhões tweets sobre o assunto em 16 dias, onde as habilidades em diversas categorias foram aquelas que tem mais mensagens por minuto, por exemplo:

  • Durante os últimos 200 metros, onde Usain Bolt participou, havia 80.000 tweets por minuto (tpm). Além disso, na categoria de 100 metros, onde o jamaicano esteve também presente, a conversa foi de 74. 000 .
  • Na final do tênis masculino, onde Federer bateu Andy Murray, o Twitter informou que havia 5 tweets por minuto – 7000 ao todo.
  • Outro destaque veio durante o final de basquete, onde o encontro entre os EUA e a Espanha registrou 41 000 dwt.

Esportes registros no Twitter

Os Jogos Olímpicos de Londres, certamente bateram um recorde no Twitter, em termos de geração de mensagens por minuto. Outros eventos tiveram a oportunidade de criar marcas interessantes, e aqui deixamos alguns dos mais importantes:

  • Mundial Feminino de futebol definitivo. A feira realizada na Alemanha, quando o Paraguai enfrentou o Brasil, conseguiu  bater as 7.196 tweets por segundo (TPS).
  • Super Bowl XVLI . Durante este evento foi relatado 2. 333 tweets por segundo .
  • As finais da Copa Euro. A euforia do jogo da Taça Europeia onde enfrentaram-se Espanha e Itália, chegou ao Twitter, onde atingiu a cifra de 15 000 tps.
Anúncios

A SEMANA EM REVISTA: Fifa ameaçou tirar o Mundial do Brasil


Fifa ameaça tirar Mundial de 2014 do Brasil por discordar de Lei Geral da Copa

Projeto foi enviado em 19 de setembro pelo governo ao Congresso Nacional

Do R7

Alex de Jesus/AE

https://i1.wp.com/i1.r7.com/data/files/2C95/948E/3261/B832/0132/7322/4457/4DCA/dilma-galo-450.jpg
Dilma assinou texto do projeto em 16 de setembro

Por discordar do projeto da Lei Geral da Copa de 2014, que será valida também para a Copa das Confederações de 2013, a Fifa ameaça tirar o Mundial do Brasil. A segunda alternativa para sediar a competição, daqui a três anos, seria os EUA, que têm concluída boa parte da estrutura necessária para o evento, já que foi sede em 1994.
O Projeto da Lei Geral da Copa foi enviado em 19 de setembro pelo governo ao Congresso Nacional. Dá poderes à Fifa e dispõe sobre as medidas relativas a eventos esportivos internacionais vinculados à Copa do Mundo de 2014, como as responsabilidades da entidade e da União nos atos referentes às competições e eventos paralelos, a proteção de símbolos oficiais protegidos e as punições para quem falsificar produtos licenciados.
Segundo o jornalista Lauro Jardim, a Fifa não aprovou o projeto de Lei que foi enviado ao Congresso. A entidade julga que o texto fere alguns pontos que foram acordados com o presidente Lula quando o Brasil ganhou o direito de sediar o Mundial, em 2007. As mudanças trariam prejuízos financeiros e comerciais para a Fifa, o que fez com que houvesse a ameaça de mudança de sede. Entre os motivos do atrito estão a meia-entrada para estudantes e para maiores de 65 anos.
A inclusão da meia-entrada no texto foi vista como uma vitória do governo brasileiro sobre a Fifa. O benefício para maiores de 65 anos segue o que manda o Estatuto do Idoso. Como não há uma lei federal que conceda o desconto para os estudantes, a entidade máxima do futebol poderá negociar diretamente com os Estados o valor dos ingressos.

Ministro se mantém na defensiva

Depois de aparecer como principal figura no escândalo do convênio fantasma, quando repassou, sem licitação, R$ 6,2 milhões para uma empresa fazer o cadastro nacional dos torcedores para a Copa de 2014, o ministro do Esporte, Orlando Silva, opinou sobre um dos pontos mais polêmicos da Lei Geral da Copa: a possibilidade de as cidades-sede decretarem feriado em dias de jogo do Mundial.
Silva se manteve na defensiva e atenuou as críticas à proposta. Afirmou que “os feriados serão circunstanciais e limitados”. O deputado federal Romário, porém, afirmou recentemente que os feriados vão “maquiar a falta de obras e alguns problemas” do país.
A falta de obras, aliás, parece ser um tormento na vida de Orlando Silva. Principal articulador e porta-voz do Mundial no Brasil, ele vê os problemas se acumularem em seu mandato. Além das críticas relativas ao convênio fantasma, Silva convive com atrasos nos principais estádios do país, seja pela demora para definição da arena, como aconteceu em São Paulo, ou por greves de operários, casos de Minas Gerais e Rio de Janeiro. Tanto é que a maioria de suas declarações é evasiva e não se baseia em fatos, mas em previsões que até agora não seguem o cronograma planejado.
Maior exemplo disso foi o que o ministro disse sobre as obras de mobilidade urbana. Apesar de apenas cinco das 12 cidades-sede terem começado as reformas, ele falou que essas obras serão “o grande legado para a comunidade que o Mundial de futebol deixará”.

Poderes para a Fifa

A legislação inclui normas desde o valor dos ingressos até a proteção das marcas de patrocinadores ligados à federação de futebol. No projeto está incluída também uma exigência da Fifa de proibir qualquer tipo de comércio no arredor dos estádios. Outro item determina a facilitação na concessão de vistos e permissões de trabalho para estrangeiros da Fifa ou de empresas ligadas à entidade, além de um artigo que cria punições para práticas contra as marcas oficiais do evento.
A Fifa também gostaria de ver liberada nos estádios a venda de bebidas alcoólicas, cuja cota de patrocínio é de uma cervejaria. Atualmente, o consumo nos estádios está proibido por uma decisão conjunta assinada pela CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e o Conselho Nacional de Procuradores-Gerais de Justiça do Ministério Público dos Estados e da União. Como a Lei Geral não aborda o tema, a Fifa poderá negociar com os governos estaduais a liberação.
O projeto de Lei Geral da Copa só deve se tornar lei em 2012. De acordo com o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), a proposta precisa ser bastante discutida e deverá ser mudada por deputados e senadores. Não está descartada a possibilidade de criação de uma comissão especial para discussão do projeto. Isso acontece quando a abrangência da proposta é ampla e envolve temas relacionados a diversas comissões temáticas.
A presidente Dilma Rousseff assinou o texto do projeto em Minas Gerais na sexta-feira (16), no evento que marcou a contagem regressiva de 1.000 dias para a partida de abertura do Mundial, em 12 de junho de 2014. A Lei Geral deve ser votada até o final do ano.

FONTE: Portal TV em Análise

ANDERSON SILVA & VICTOR BELFORT


O campeão se ajoelha aos pés do vencido

Se eu lhes disser que fiquei esperando a ‘luta do século’, entre os brasileiros Anderson Silva e Victor Belfort, até poucos minutos antes de começar, vocês acreditam? Fui nocauteado pelo sono. Mas agora a pouco fui ao YouTube e assisti a vitória de Anderson.

Mais do que pelo primado desse tipo de esporte, que pessoalmente não gosto, o que me comoveu foi a pressa do vitorioso em abraçar o amigo preocupado em saber se ele estava bem – eles dois são velhos conhecidos e companheiros de jornada – e, mais do que isso, a saudação que Silva fez ao mestre Belfort. De joelhos, numa atitude de quem consagra o vencido.

Na entrevista que ele deu a SporTV, Anderson revela-se uma pessoa centrada, quieta, calma – não dá nem para acreditar que aquela alma gentl, seja a mesma que adentra a arena e se torna a criatura animal das conquistas de luta livre. A voz é de um adolescente; o conteúdo de sua fala é de quem tem conteúdo – só Deus sabe porque esse quase menino e que se transforma numa produto de destruição.

COMPORTAMENTO


Jogadores do Santos destratam torcedor

Animados pela vitória sobre o Grêmio Prudente, os reservas do Santos exageraram na comemoração no domingo à noite e serão chamados para dar explicações à diretoria. Direto do quarto da concentração, Zé Eduardo, Madson e Felipe, entre outros, iniciaram um bate-papo com fãs pela internet, que acabou em ofensas aos torcedores. Alertado por Robinho, que acompanhava a cena de Santos, Zé Eduardo chegou a dizer que o camisa 7 não fará falta quando deixar a Vila Belmiro.

A declaração aconteceu após Robinho ter apelado, por telefone, para que os companheiros interrompessem a transmissão. Antes da discussão, o goleiro reserva Felipe já havia se indisposto com um crítico.
“Aí fera, o que eu gasto com o meu cachorro de ração é o teu salário por mês. Então não fode…”, disse Felipe, ao ser chamado de “mão de alface”, por um internauta.

O episódio ligou o sinal de alerta na concentração do Santos na Baixada, onde os titulares já se preparam para a final da Copa do Brasil. Pelo Twitter, Neymar e o atacante Marcel tentaram entrar em contato com os companheiros de Prudente, até que Robinho finalmente conseguiu o contato por telefone.

“Os moleques é que estão aprontando. Eu estou de boa”, disse Alan Patrick, tachado de “anjinho” por Zé Eduardo.

Logo após a provocação a Robinho, que deve voltar ao Manchester City após a decisão da próxima quarta, Zé Eduardo e Mádson fecharam a transmissão.

Esta não é a primeira vez que os Meninos da Vila se destacam no noticiário por gafes extra-campo. No fim do primeiro semestre, Paulo Henrique Ganso, Neymar, André e Mádson chegaram a ser afastados do jogo contra o Atlético-GO por terem se apresentado com atraso.

Mádson, inclusive, recebeu um ultimato da direção na época. O meia, reincidente, demorou mais que os colegas para ser reintegrado, e foi ameaçado de rescisão contratual caso repetisse a indisciplina.

ESPORTES


A farsa da Fórmula 1

A Fórmula 1 perdeu seu brilho. Encanto de outras épocas, virou uma fábrica de marmelada. Último exemploo o da corrida de domingo. O campeão Michael Schumacher pode ter tudo, menos respeito pelos colegas. A atitude do último domingo durante o prêmio da Hungria mostra que ele e outros do seu nível – Alonso, por exemplo – não têm senso de desportista. Ganham se forem com ajuda e pressão da direção. Foi assim quando era da Ferrari e continuou demonstrando isso quando tentou jogar Barrichello junto à parede da área dos boxes.

Punido pelos comissários, ele pediu desculpas. Tudo bem. Mas fica a lição de que, hoje em dia, os campeões existem porque precisam de facilidades para se tornarem. Foi-se o tempo em que SER campeão valia mais do que o TER um campeonato, custe o que custar. Que o diga Massa, perdendo a chance de dizer NÃO aos engenheiros em defesa da disputa correta, do esporte tocado na medida do talento e não da traição por uma punhado de lentilhas.

Navegação de Posts